2017

Dicas de Viagem – Que chip de celular usar nos EUA – Travel Mobile, America Mobile ou operadora tradicional?

Dicas de Viagem – Que chip de celular usar nos EUA – Travel Mobile, America Mobile ou operadora tradicional?

Olá pessoal, muito boa noite, como estão? Espero que todos bem.

O assunto que abordarei hoje é bem controverso, há quem dispense o uso de smartphone em suas viagens pelo exterior, haja vista os altos custos inerentes ao roaming, especialmente o de dados – se optar por uma das operadoras brasileiras os custos podem chegar a R$29,90 ao dia apenas para usar dados, sem direito a ligações – estes felizardos desligam o aparelho e o deixam na gaveta e só ligam novamente no retorno.

Outra categoria de turistas não dispensa o smartphone, o leva durante a viagem mas opta por pegar carona nas redes wi-fi disponíveis no destino, deixando apenas os dados celulares desabilitados (uma boa dica em cidades grandes é procurar um starbucks, lá sempre tem wi-fi livre).

E há também, aqueles que como eu, se puder não fica sem usar, ainda mais pensando que podemos economizar uma grana dispensando aluguéis de GPS em locadoras de veículos ou com apps de carros de aluguel, para pedir comida, etc. Todos eles existem em profusão por aí.

Pois bem, em nossas três últimas visitas aos EUA (2014, 2015 e 2017) eu optei por usar um chip de lá, especialmente para dados (apesar dos pacotes também disponibilizarem serviço de voz), cada uma das vezes usamos um serviço diferente. Segue aqui um resumo do que achei de cada um deles, e seus prós e contras.

T-Mobile America
Mobile
Travel
Mobile
Facilidade
de aquisição do chip
Apenas em lojas físicas nos EUA ou pela internet em endereços
nos EUA
Entrega em casa no Brasil via sedex (sedex pago a parte) Entrega em casa no Brasil via sedex (sedex pago a parte)
Cobertura EUA EUA EUA, Europa, Canadá, América Latina, Caribe e Ásia – dependendo da operadora e plano
escolhido. Para efeito de comparação, o plano apresentado trata de uso nos
EUA
Compra
pelo site
Não para o Brasil Sim Sim
Envio de
chip para o Brasil
Não Sim Sim
Website https://www.t-mobile.com/ https://americanetmobile.com/ https://www.travelmobile.biz
Site em
português
Não Sim Sim
Facilidade
de instalação
Fácil Médio Fácil
Valor do
chip
 US$25,00  US$0,00  US$20,00
Plano  Simply Prepaid  US$90,00  Lyca 50 da
Lycamobile
Valor do
pacote
 US$45 ou US$55  US$90,00  US$50,00
Minutos  Ilimitado dentro dos
EUA
Ilimitado para fixos e móveis nos EUA, além de fixos no Brasil e
100 minutos para móveis no Brasil.
Ilimitado para locais e interurbanos dentro dos EUA e US$0,0=
1 o
minuto para fixos no Brasil e US$0,05 para celulares no Brasil, o chip vem
carregado com US$5,00)
Dados  4GB ou 6GB 5GB 5GB
Hotspot  Sim Sim Sim
Vantagens Operadora com estrutura própria. Você usa um chip com 2 números, um do Brasil e um dos EUA, se
alguém do Brasil precisar te ligar, usa o número brasileiro sem pagar
interurbano.
Chip reaproveitável, há a possibilidade de realizar recarga e
usar em mais de uma viagem. Facilidade de aquisição, na ativação do chip e
rapidez na entrega do chip. Cobertura mundial.
Desvantagens  Ao desembarcar você
precisará procurar uma loja da T-Mobile e adquirir seu chip.
preço N.A.
Local onde foi usado
NYC Flórida Califórnia, Nevada e NYC

Para efeito de usabilidade, relato minhas experiência reais, para efeito de comparação de preços, todas as pesquisas foram refeitas no dia 01/06/2017 diretamente no site das respectivas operadoras.

No geral, as três operadoras funcionaram muito bem, com uma ressalva negativa para uma falha que percebemos na America Mobile num determinado dia durante nossa viagem pela Flórida, estávamos indo para o Universal Studios e neste dia a navegação de dados parou de funcionar sem mais nem menos, mas rapidamente foi resolvida sem nenhuma intervenção nossa.

A cobertura nos EUA é muito boa nas três operadoras. O destaque positivo foi para a Travel Mobile – Lycamobile, que usamos recentemente na Califórnia, em Nevada e Nyc. Apesar de ela usar a estrutura física de outras operadoras móveis, não falhou em nenhum momento e a velocidade de comunicação de dados era muito boa em todos os momentos.

Outro diferencial da Travel Mobile é que conseguimos comprar alguns planos para usar em outros continentes. Tanto ela quanto a America Mobile nos proporcionam chegar no destino e já sair usando o telefone, seja para pedir um uber ou para dar um alô para nossas famílias no Brasil.

A faixa de preço fica mais ou menos parecida, considerando-se todos os custos envolvidos no processo.

Em termos de satisfação, posso dizer que fiquei muito impressionado e satisfeito com a Lycamobile, recomendo fortemente o uso.

Se você se interessa por chips de dados na Europa talvez se interesse por este post.

Caso de interesse por alugar um carro? Clique no banner abaixo.

Anúncios
2017

Dicas de viagem – Como se locomover em San Francisco, Los Angeles, Las Vegas e NYC – parte final

Olá pessoal, boa noite a vocês. Dando sequência ao primeiro post sobre como se locomover por San Francisco, Los Angeles, Las Vegas e NYC, aqui vai a parte final do nosso post.

Para acessar o primeiro post, podem clicar aqui.

Um alinhamento antes de concluir o post, estou falando aqui de locomoção dentro das cidades, no nosso caso optamos por fazer o trajeto entre San Francisco e Los Angeles de carro, aproveitando a vista da famosa Highway 1 (falarei com mais detalhes deste passeio em outro post).

Los Angeles

Pois bem, sabendo disso já vou direto ao ponto, o melhor jeito de se locomover por Los Angeles é mesmo de carro, uma vez que a cidade é bem grande e as atrações estão bem dispersas. Soma-se a isso o fato de a cidade não ter um transporte público tão diverso e eficiente como em outras grandes cidades como San Francisco, NYC ou Paris por exemplo. Por este motivo, Los Angeles sofre do mal das grandes cidades, sim, eles mesmo os engarrafamentos. Mas relaxem, enquanto num engarrafamento na ponte Rio-Niterói você chega a ficar parado no lugar, por lá os que eu peguei a gente sempre estava andando, mesmo que devagar. Apenas se programe e cheque o trânsito antes de sair de casa.

E como fazer para arrumar um carro? Nos EUA o processo de aluguel de carros é muito fácil e descomplicado, as locadoras possuem postos de locação gigantes nos aeroportos – além de agências de rua – geralmente com serviço de transfer entre os terminais e local de retirada e devolução do carro. Los Angeles não é diferente, a garagem das locadoras fica a dez minutos do aeroporto, então ao se planejar, considere este tempo de deslocamento no seu trajeto total para não perder o seu voo.

Optamos por alugar o carro com a Rent Cars, que para mim no período que eu fazia os orçamentos foi quem me mostrou os melhores preços, eu já havia usado no Brasil, portanto confiei de cara. A grande vantagem é que eles conseguem pesquisar em diversas (senão em todas) as locadoras disponíveis em cada lugar. Você pode reservar e administrar sua reserva pelo site ou pelo  aplicativo, disponível para as mais diversas plataformas.

 Segue um exemplo de pesquisa de preços executada no site considerando pegar o carro em San Francisco e devolvendo em Los Angeles e também retirando e devolvendo no aeroporto de Los Angeles.

Simulação Carro San Francisco Los Angeles

Se for descer de San Francisco para Los Angeles de carro, recomendo considerar um carro um pouco mais confortável, especialmente que acomode toda sua bagagem sem nenhum problema, por incrível que pareça, vimos vários carros em SF com o vidro estourado por ladrões. Vale o cuidado com sua bagagem, parecido com o que faríamos aqui no Brasil.

Simulação de aluguel de carro em Los Angeles

Você não pagará nada no ato da reserva, o pagamento será feito direto na locadora, após o processo de reserva você deverá imprimir a confirmação e levar no dia da retirada do carro. No dia da retirada é só se dirigir ao balcão da locadora informada e seguir as orientações.

Para se orientar, o bom é velho Google maps não falha.

Las Vegas 
Em Las Vegas as coisas de interesse são em sua maioria muito próximas – como por exemplo os cassinos da Las Vegas Boulevard (mais conhecida como Las Vegas Strip) – mas algumas coisas legais ficam bem distantes (mais de 25 km), como por exemplo Red Rock Canyon – que além de ser longe tem uma trilha de mais de 10km que é percorrida de carro –  Grand Canyon, Route 66, etc. A melhor opção de deslocamento deverá ser ajustada de acordo com suas reais necessidades. Se você só vai a cassinos ou nas adjacências da Las Vegas Strip, recomendo ficar no Uber, no Lyft, no Taxi ou ainda monorail que circula pela região dos hotéis.

No geral para Las Vegas eu recomendo fortemente o uso do carro. Aqui não vale a pena investir num aluguel de carro mais caro, peguem o mais econômico que você vai se deslocar basicamente pela cidade, sem malas ou algo que chame atenção no carro.

Lembre-se, os estacionamentos em geral são pagos, giram em torno de US$8,00 a US12,00 a diária, com algumas exceções que podem ser um pouco mais caros.

Para quem tiver interesse, fiz um orçamento na rentcars.com (saindo do aeroporto de Las Vegas e voltando para ele) que pode ser visualizado no link a seguir:

Simulação de aluguel de carro em Las Vegas


NYC

Bom, Nova Iorque é um caso bem distinto, aqui o transporte público impera e funciona bem.

Para sair do aeroporto, as dicas são três:

1) Como disse no primeiro Post dessa série, Super Shuttle. Preço padrão, pode ser comprado pelo aplicativo. Veja dica sobre ele clicando aqui.

2) Uber, no aeroporto JFK a disponibilidade de carros do Uber é maior que a dos concorrentes. No Uber pool no dia e hora que fiz a pesquisa (terminal 1 até a região da Times Square), a tarifa estava em US$35,00, pelo UberX US$62,84. Se quiser Luxo, no UberBlack você pagará US$149,19, e por último se for precisar de espaço o Uber XL a tarifa estaria em US$115,44. Lembre-se, os preços são em dólar.

3) Trem/ metrô – neste caso recomendo para quem estiver com pouca bagagem, pois a maioria das estações do metrô de NYC não é tão acessível, e de cara você precisará fazer uma baldeação do Airtrain JFK na estação Jamaica Center ou na Howard Beach JFK Airport. Essa opção será com certeza a mais em conta, mas possivelmente a menos conveniente. Em Jamaica Center você poderá pegar as linhas E, J e Z. De Howard Beach você pega a linha A. Outra vantagem é a previsibilidade de horários, uma vez que o metrô não está sujeito a engarrafamentos. Aqui abaixo, segue o mapa do metrô de NYC.

Nyc subway map

Mapa do metrô de Nova Iorque

Para se deslocar dentro de Manhattan, a dica é usar o metrô. NYC é bem servida de metrô em todas as regiões. Se estiver com um smartphone ou tablet, recomendo baixar o aplicativo “NYC Subway”, que além de dispor de um mapa pode traçar trajetos de seus deslocamentos.

NYC como cidade grande tem muita disponibilidade de carros de Uber e do Lyft. Recomendo se a tarifa estiver normal e se você precisar se deslocar com uma certa urgência ou estiver longe do metrô.

Outra dica é usar o maravilhoso metrocard, para quem for usar mais de 12 trechos de metrô, já vale a pena comprar o metrocard. A tarifa única custará US$2,75. Você pode comprar para uma semana ou para 30 dias com corridas ilimitadas. Para 7 dias você pagará US$32,00. Para 30 dias US$121,00. Se quiserem checar o site do sistema de metrô, pode verificar o site aqui. O metrocard pode ser adquirido em todas as estações em máquinas de venda de passagem, muito fácil de usar.

Última dica, vale muito a pena instalar o google maps em um tablet ou smartphone para se orientar nestas grandes cidades, você vai economizar um tempão.

Vou ficando por aqui e agradeço a todos pela visita ao site.

2017

Dicas de viagem – Como se locomover em San Francisco, Los Angeles, Las Vegas e NYC – parte 1

Dicas de viagem – Como se locomover em San Francisco, Los Angeles, Las Vegas e NYC – parte 1


Olá pessoal, como estão as coisas? Sumi um pouco aqui do blog mas foi por um bom motivo. Passamos 3 semanas viajando pelos EUA e trouxe muitas histórias para contar. A primeira delas é a resposta para uma dúvida que quase todo mundo tem quando precisa se locomover numa cidade grande e desconhecida: e aí, que meio de transporte usar? Vou dividir o Post em dois para ficar mais fácil. Primeiro vou falar de….

San Francisco

Pois bem, San Francisco é uma cidade muito fácil de se locomover, mas em alguns lugares umas dicas ninjas são bem úteis.

A primeira delas é para sair do aeroporto. Se não tiver algo contratado do Brasil ou não tiver alguém para te pegar, então vale a pena pensar no Super Shuttle, esta empresa opera nos principais aeroportos dos EUA, possui um site legal, tem também aplicativo (este da foto) e é muito fácil de usar. A corrida do aeroporto para o centro da cidade na região da Union Square custa aproximadamente US$17,00 por pessoa(te levam no seu hotel), o transporte será feito com vans, e tem saídas em diversos horários. Vale a pena pesquisar.

San Francisco possui metrô, trens intermunicipais, bondes, ônibus, taxis e barcas como boas opções de transporte público, além de ter uma parte da cidade com pouca inclinação(nem toda ela), o que te permitirá bater perna ou ainda alugar uma bike e rodar sem muita dificuldade. No caso de optar pelo transporte público, vale a pena pensar no cartão clipper, que é vendido em máquinas dentro das estações de metrô e é aceito como integração nos principais modais de transporte. Esta será com certeza a forma mais econômica para se locomover por lá.

Funciona assim:

O cartão físico é de uso individual e intransferível, ele custa US$3,00. Como disse anteriormente, ele pode ser adquirido em estações do metrô em máquinas de vendas automatizada. Depois e adquirir você efetua a carga (da parte fazer na mesma operação). As tarifas de uso variam de acordo com o transporte escolhido, por exemplo, a tarifa simples para andar de bonde custa até US$7,00. O passe para visitantes com corridas ilimitadas por um dia custa US$21,00. Para 3 dias US$32,00 e uma semana US$42,00. Façam suas contas.

Bom, taxi tem em todos os lugares, todo mundo sabe como funciona, as vezes não sai muito barato, portanto tomem cuidado. Se tiver que usar, prefiram chamar uma cooperativa – peçam no hotel ou estabelecimento onde estiverem.

Como uma cidade muito ligada a tecnologia, pode-se dizer que ali é o berço de empresas como Uber e Lyft (aplicativos de carros de aluguel), lá eles funcionam muitíssimo bem.  Eu confesso que não conhecia o Lyft, conheci por lá pois o meu uber deu problema e as corridas não eram aceitas pelo aplicativo. Pelo que vi, o serviço é muito semelhante ao uber, as vezes os motoristas trabalham para os dois, como acontece aqui no Brasil com Uber e Cabify. Notei que o preço do Lyft, era ligeiramente mais baixo do que o do Uber. A quantidade de carros era semelhante. Diferente do Brasil, por lá os caras se identificam como motoristas dessas empresas,  sem medo de ser mostrar, não há erro. Não há diferença no uso, a única coisa diferente é que eles oferecem mais categorias de carros por lá, e cobram devidamente de acordo com o escolhido. Tem por lá as categorias pool (compartilhado), X(comum), Black (de luxo), XL (carro grande), limo. Como aqui, o valor da corrida vem no seu cartão de crédito, a diferença é claro, será a moeda. O aeroporto, a maioria dos hotéis e estabelecimentos  como shoppings tem uma área destinada a “ride share” onde os carros de aplicativos estarão autorizados a parar para pegar passageiros ( isso se vc não estiver na rua). Tudo muito fácil. Recomendo.

Bike

Alugamos duas bikes para um passeio de um dia na empresa Blazing Saddles que ficava pertinho do Pier 39. Neste dia fomos do Pier até Sausalito e voltamos de barca (o ticket estava incluído). As bikes de maneira geral estão em boas condições. Andar de bike em San Francisco é muito agradável, em algumas vezes pode ser desafiador, por conta de todos os morros que formam a cidade. Lembrem dos filmes de ação por lá ambientados, ou melhor, lembrem da Lombard street e vejam que as subidas e descidas estarão presentes o dia todo. O aluguel não sai barato, vale a pena pesquisar se já opções que melhor lhe atendam pois existem várias outras opções. Só para lembrar, não pode deixar a bike em qualquer lugar, alguns estacionamentos são pagos e o retorno pode ser num lugar diferente de onde você pegou, mas tudo muito fácil. Ser precisar de ajuda é só ligar no telefone deles. 

Vou ficando por aqui, semana que vem passo as dicas do restante do passeio.

2017

Férias nos EUA 2017

Boa noite pessoal, enfim chegaram nossas férias. Passaremos um tempinho nos EUA, entre San Francisco, Los Angeles, Las Vegas e NYC. Voltaremos em maio com muitas dicas aqui no blog. Tentarei postar algumas coisas daqui, mas como os dias são bem corridos talvez não dê. Fiquem de olho.

Abraço a todos e até maio. 

Quem quiser acompanhar a viagem é só aparecer no instagram.com/coelho_armando.

2017

Dicas de Passeios em Aruba – Passeio de Harley Davidson pela Ilha

Dicas de Passeios em Aruba – Passeio de Harley Davidson pela Ilha

Olá pessoal, boa noite.

Hoje vou contar um pouco de um dos melhores passeios que já fiz em uma viagem. Posso dizer que é quase que uma experiência, mais que um simples passeio, quem tiver oportunidade eu recomendo.

Nossa aventura começou muito antes da viagem, minha esposa pesquisou e me indicou e eu corri atrás dos detalhes. Encontrei diversas empresas alugando motos, mas esta era focada em Harley Davidson, era a que mais passava detalhes e portanto confiança.

Li sobre os caras no Trip advisor e fui na fé.

Eles possuem duas opções de passeios e alguns tipos de motos, a saber:

  • Passeio guiado – acompanhando um guia provido por eles para fazer um roteiro estabelecido.
  • Dia livre – você paga a diária e fica livre para explorar a ilha conforme sua vontade.

Eu optei pelo segundo, considerando as taxas aplicadas por pessoa para o passeio, não havia diferença de preço. Há também pacotes semanais. Se achar que vale a pena, opte por ele.

As motos disponíveis são:

  • Harley Davidson Road King;
  • Harley Davidson Softail Heritage(eu aluguei uma dessas);
  • Harley Davidson Dyna;
  • Harley Davidson Sortster(essa é a opção mais barata).

Combinei tudo por e-mail e na hora marcada eles passaram no nosso hotel para nos apanhar. A sede da empresa fica a uns 10 minutos da zona hoteleira. Chegando lá eles conferiram os nossos documentos (passaporte e habilitação), em seguida fizeram a pré-autorização no cartão de crédito, assinamos o contrato. Depois disso o atendente passou uma lição básica sobre as Harleys, a condição do trânsito e das estradas de Aruba, nos forneceu dois capacetes e por fim nos liberou para seguirmos. Tudo muito simples e desburocratizado.

Eu andava de moto, mas nunca havia andado em uma Harley. A potência da moto impressiona. É mesmo muito interessante o barulho da moto, principalmente ao ligar.

O trânsito em Aruba não é muito organizado, mas vou dizer uma coisa, para quem está acostumado com o trânsito das grandes cidades brasileiras vai tirar de letra. A ilha tem poucas estradas principais que seguem no sentido norte-sul – a principal delas a route 1 – e diversas no sentido leste-oeste. Não dá para se perder! Se você tiver um GPS e alguém para te ajudar a navegar, fica facílimo. Os prinicpais pontos estão nos extremos da ilha, mas isso eu falo em outro post.

Eu aluguei a moto por dois dias, combinem com o pessoal e tentem obter um preço especial. Rodamos por toda a ilha com direito inclusive a paradas em três praias super especiais, Baby beach e Hadicurari e Arashi. Fora que passamos por todas elas e também pelo Califórnia Lighthouse.

 

 

 

Por fim, mas não menos importante, tivemos dias ótimos a bordo da nossa Harley Davidson (nossa pelo menos por 2 dias), mas uma pena que acaba. Deu para deixar o gostinho de quero mais. Segue para quem quiser fazer também o passeio o site da empresa. Super recomendo!

https://arubamotorcycletours.com/ 

Obrigado a todos, abraços e até a próxima.

Mais dicas sobre Aruba, clique aqui, se estiver procurando algo pelo Caribe, clique aqui.

 

2015

Dica de restaurante em Tallin – Restaurante Medieval Olde Hansa

Dica de restaurante em Tallin – Restaurante Medieval Olde Hansa

Olá pessoal, bom dia.

A dica de hoje é um lugar muito legal que visitamos durante nossa visita a Tallin – Estônia. Almoçamos no restaurante Olde Hansa. É um restaurante medieval, especializado em carne de caça. Fica bem no centrinho da cidade antiga em Tallin. Não tem como errar, a rua principal depois de passado o portão de entrada da cidade leva direto a ele.

O restaurante é ambientado como se fosse mesmo medieval – dizem que é – segue fielmente as receitas como as originais, pelo que nos disseram,  até as bebidas são produzidas por ali.

O ambiente é como uma taberna antiga, inclusive as pinturas nas paredes, a iluminação, os talheres e louça. Todos os atendentes usavam figurinos de época e de quando em vez se apresentavam num pequeno palco do lado de fora com instrumentos e temática medieval.

O cardápio segue as receitas originais de cada prato, inclusive na hora de temperar, usando apenas ingredientes e especiarias que haviam naquela época, uma dica, não havia sal – pelo menos não em abundância – portanto as receitas utilizam muitas ervas e especiarias, mas não levam sal. E nem por isso a comida era sem sabor, pelo contrário, o que comemos estava muito bom. Pedi um refrigerante para beber e o atendente pediu desculpas, mas de bebida não alcoólica só havia o água e suco de uva que eles produziam eles mesmos.

O menu é composto de sopas e saladas, carnes (carne de porco, de cordeiro, filé, carne de coelho, carne de alce e de urso – dizem). Havia também opções de frango e peixe e um menu de sobremesas a base de bolos e frutas.

 

 

A proposta é interessante, e se não gostar da comida, pelo menos a bebida acho que deve agradar,  cerveja e vinho feito por eles mesmos, ou pelo menos propagandeado dessa forma. O site do restaurante é o www.oldehansa.ee.

No final, ao bom e velho estilo Hard Rock Cafe , ou será que o HRC imita o estilo Olde Hansa??? Existe uma lojinha com diversos souvenirs com motivos medievais.

Gostei muito deste almoço, além de comer, foi um programa diferente de tudo que já experimentamos. Recomendo a visita para quem estiver em Tallin.

Destino RBBV

Nosso mapa de viagens e dicas de viagem

Olá pessoal, boa noite. Entre idas e vindas, desde que começamos a viajar, visitamos vários países, com todas as características possíveis: ricos, pobres, grandes, pequenos, populosos, nem tanto assim… Pois bem,  ao final deste ano teremos visitado 31 países. Parece muito, e é! Mas o que sempre pensamos é que o mundo é mesmo muito grande e nós infelizmente não teremos em uma só vida nem tempo e nem recursos para vê-lo por completo. 😢

Somos muito gratos por tudo que vimos, e veremos, e digo que essas experiências são muito enriquecedoras e gratificantes. Isso ninguém pode te roubar. Tem gente que diz que viagens são necessidades básicas, tendo a concordar( mesmo que não sejam viagens internacionais, ou dispendiosas), só sair do cotidiano já é um grande passo. Precisamos tirar um tempo para espairecer, arejar a mente.

Uma dica que dou a todos que se interessam pelo tema, se planejem com a maior antecedência possível, leiam, pesquisem, montem um cronograma, não deixem para resolver tudo em cima da hora, no final tudo dá certo, mas as vezes as coisas podem ser muito melhores se tiver planejamento.

Abaixo deixo o nosso mapa der viagem. É por ele que eu começo antes de escrever um Post.

Abraços a todos.